[Resenha] Zac & Mia – A. J. Betts

Resenha 2

Olá, amores! Como vão?

2015 já está quase acabando e esse ano passou rápido demais, não acham? Já posso ouvir as músicas de fim de ano e confesso que estou ansiosa para montar a árvore de Natal (sou dessas que considera essa uma tradição importantíssima).

E ai, já começaram a fazer suas listas de livros desejados para ganhar de presente ou para serem lidos no próximo ano? Eu já estou montando as minhas metas literárias e tenho uma sugestão ótima para a de vocês.

Coloquem na suas wish-lists e/ou na metas de leitura para 2016 o livro Zac & Mia, da escritora autraliana A. J. Betts. Esse é um livro daqueles que peguei pra ler sem grandes expectativas, mas que me conquistou e me prendeu já no primeiro capítulo. E é sobre Zac & Mia a resenha de hoje.

Zac e Mia

Zac & Mia é um livro destinado ao público YA (mas que pode ser lido e apreciado por qualquer idade, isso eu garanto) que conta a história de dois jovens que se conhecem na ala de Oncologia de um hospital na cidade de Perth, a capital da Austrália Ocidental. Sim, este é um Sick Lit.

Zac Meier, o garoto do quarto 1, é um jovem de 18 anos que acabou de passar por um transplante de medula óssea e tenta pela segunda vez se curar de uma leucemia. Ele tem personalidade sarcástica mas não é um cara chato, muito pelo contrário. Tanto que leva com muito bom humor o fato de estar a algumas semanas preso dentro de um quarto de hospital com a mãe, Wendy.

Ele tem uma lista com as séries de TV indicadas para quem passa pela quimioterapia e quer evitar os enjoos. É fã de Harry Potter e tem uma queda enorme por Emma Watson, dizendo que cair num tanque cheio com exemplares da atriz que dá vida a Hermione seria uma boa forma de morrer. Ah, e vocês podem chamá-lo de Helga (leiam para entender o porque!).

Já Mia Phillips, a garota do quarto 2, é exatamente o oposto. Rabugenta, mal humurada, mal educada e sempre fazendo de tudo para afastar as pessoas agora que recebeu o diagnóstico de Osteossarcoma localizado em seu tornozelo. Mia não aceita a doença e muito o menos o fato de que esse parece ser o fim da vida perfeita que levava sendo a garota mais popular da escola.

Mia não tem um bom relacionamento com a mãe, que a cria sozinha, e foge dela sempre que pode. Demorei para entender Mia, mas ela é aquele tipo de personagem que precisa ser desvendado. E a garota do quarto 2 não passa de uma menina assustada, que só precisa ser entendida e amparada. Ela precisa de um motivo para ficar.

E é isso que Zac faz. Se torna motivo.

Os dois se aproximam depois que Zac, não suportando mais a música alta no quarto ao lado (mais precisamente LoveGame, da Lady GaGa), dá batidinhas na parede até que o barulho cesse. Mia devolve as batidinhas e eles começam a se falar usando código Morse meio atrapalhado, até que a solicitação de amizade chega a Zac pelo Facebook.

O livro é dividido em três partes: a primeira contada por Zac, a segunda por ambos, revezando os capitúlos, e a terceira por Mia. Sempre em primeira pessoa, o que nos aproxima ainda mais dos dois e nos colocam dentro de seu mundo.

As dores e as dúvidas de ambos são muito reais e ao mesmo tempo intangíveis para pessoas que não passaram pelo mesmo. Atráves de Zac e Mia conhecemos outros personagens que nos tocam com igual intensidade, como a enfermeira Nina, o surfista Cam e Bec, a irmã grávida de Zac (que merecia um livro só pra ela, diga-se de passagem).

Não sei dizer o que fez com o que eu gostasse tanto desse livro. Só sei que não tinha nenhuma pretensão quando o abri pela primeira vez e que o fechei pesarosa quando o terminei, ansiando por muito mais. O humor e delicadeza de Zac junto com a determinação e o eu-preciso-de-alguém-que-me-leve-pra-casa de Mia, foram a combinação perfeita para um livro perfeito.

Fiquei encantada também por ter tido a chance de conhecer um pouquinho da Austrália com esse romance. Ficamos tão acostumados com a literatura que vem dos Estados Unidos que essa mudança de cenário e de perspectiva é muito bem vinda. Cabe citar que eu agora preciso conhecer a Austrália e que quero um canguru?

Não pensem que por ter a mesma temática que esse livro é uma “cópia” de A Culpa é das Estrelas (apesar de que tem potencial para se tornar um fenômeno editorial tão grandioso quando o livro de John Green). Em Zac & Mia, temos uma construção muito diferente de personagens e uma trama até, atrevo dizer, um pouco mais madura que a de Hazel e Gus.

Esse é o primeiro livro da autora A. J. Betts publicado no Brasil e ela tem escrita muito leve, que dá prazer em ler. É um livro muito gostoso, que me deixa com vontade de continuar lendo. A citação da escritora Fiona Woods (Seis Coisas Impossíveis) impressa na capa da Edição Brasileira não podia ser mais verdadeira quando ela avisa que esse é o livro que não se quer mais largar.

Por falar nela, a edição brasileira, publicada pela Editora Novo Conceito, está muito boa, por dentro e por fora. Boa diagramação e arte nas páginas, sem erros de tradução aparentes (sou chata com essas coisas). A capa é muito bonita, apesar de eu ainda não ter entendido a ligação dela com a história de fato.

Para quem curte romances com boas doses de drama e humor, Zac & Mia é a indicação perfeita. Ainda mais se estiver afim desses amores doentios (perdoem-me pelo trocadilho). É o livro perfeito para quem está precisando de  uma leitura mais leve e despretensiosa. Recomendo fortemente esse livro e espero que se encantem por Zac, Mia, Cam, Bec, Wendy e Nina da mesma forma que eu.

Pequena maça, pequeno ovo.

Espero que tenham gostado dessa resenha! Até a próxima!

Beijos de Luz

Bia

[Lançamentos] Novo Conceito #Agosto

Lançamentos2

Olá, seus bonitos! Como vão?

Hoje eu vim aqui para apresentar os lançamentos de Agosto da Editora Novo Conceito. E eles estão ó, uma belezura! ❤

Confiram:

lançamentos

Eu estou louca pelo novo livro do Felipe divo Colbert e já chorei nas 5 páginas que li de Prometo Falhar. Então dá para sentir como esse mês de agosto promete.

Confiram as sinopses:

sinopse

Fiquem de olho para não perderem as novidades!!

Beijos!

Laury